Como nasce uma paixão centenária

10346639_755571561131548_186021896559477863_n

A data de 21 de agosto de 1988 é um marco em minha vida, pois foi a primeira vez que fui ao estádio ver um jogo de futebol profissional. O Estádio Plácido Aderaldo Castelo, carinhosamente Castelão, era portentoso, imponente, digno da alcunha que recebia. Imaginem aquele deslumbramento aos olhos de uma criança, que naturalmente tudo lhe parece maior do que realmente é. Fui com meu pai e uma turma da nossa rua. Aquele misto de frisson com ansiedade parecia causar-me uma catarse. Aquelas bandeiras alvinegras e corais misturadas, o clima de festa sem registro de violência. Conhecia ali o famoso Clássico da Paz. Contudo, meu pai, como bom alvinegro, cooptou-me para o lado alvinegro da força. Embevecido com aquela beleza do pavilhão de Porangabuçu não esbocei objeção.

Era final do Campeonato Cearense de 1988 entre Ceará x Ferroviário. O esquadrão alvinegro no tempo normal foi impiedoso contra o Tubarão da Barra, impondo um resultado acachapante de 5×1. Só que houve a tal da prorrogação, e eu lá sabia o que era isso! Nesta malfadada perdemos de 2×0, que causou-me não tristeza, mas sim um paradoxo. Como pôde aquele time conseguir cinco tentos nos 90 minutos e o Ferrim devolver dois gols na prorrogação da contenda? Deixa estar, coisas do futebol..

Ferroviário sagrou-se campeão mas quem saiu no lucro fui eu! Escolhi para mim o Ceará Sporting Club como clube de coração que o é até hoje. Incólume e solitário em meu coração está o titã de Porangabuçu, que hoje comemora 100 anos. Até hoje me deu mais alegrias que mereço, e as tristezas foram devidamente digeridas e superadas.

Nada diminui esse amor, o rebaixamento de 2011 só recrudesceu nossas linhas, fazendo com que a torcida abraçasse esse clube de forma mais pujante. Temos muito a comemorar e um brilhante futuro a vislumbrar. Finalizo esta história rememorando a lição do bambu chinês. Poucos percebem, mas o que está sendo feito hoje é um crescimento interno, imperceptível para os olhos mais destreinados. Porém, tal qual o bambu chinês, este crescimento em breve externar-se-á e veremos o Alvinegro crescer mais que todos num pequeno espaço de tempo. Espero estar vivo para presenciar isto. Parabéns Ceará por estes primeiros 100 anos. É um prazer viver para ver este dia.

Leave a Reply

You can use these HTML tags

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

  

  

  

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.